Gipsita o que é? Para que serve? Qual sua Origem?

Você conhece o minério Gipsita? Pois saiba que ele é de grande utilidade para a fabricação de diversos produtos. Entre eles, cimento, gesso e até a cerveja.

Além disso, algumas pessoas o utilizam como suplemento alimentar.

Interessou-se e quer saber mais sobre outras utilidades da Gipsita, sua composição e sua origem? Então, não saia dessa página e, a seguir, fique por dentro de tudo sobre esse minério!

O que é a Gipsita?

 

A Gipsita, também conhecida por gipsito, gesso, pedra de gesso ou sulfato de cálcio hidratado, se trata de um tipo de minério formado pela composição química Ca(SO4). O minério apresenta tonalidade translúcida branca, acinzentada, avermelhada, amarelada ou acastanhada.

Também costuma apresentar outros componentes, como a mica, além de conter espécies de lâminas na sua superfície, na sua forma bruta. Ainda tem um brilho com aspecto nacarado, consistência fibrosa e levemente gordurosa e dureza considerada leve.

A Gipsita é um dos minérios mais abundantes na crosta terrestre. Aparece em decorrência de depósitos salinos (evaporitos) ou sob a forma de camadas coladas de calcários, folhelhos e argila. Ainda pode ser encontrado nos meteoritos.

Para que Serve a Gipsita?

 

Além do uso da Gipsita para a construção, nos últimos anos, o minério vem servindo como um material de uso terapêutico, ou mesmo, para ser usado como suplemento alimentar, que, segundo os entendidos da área, confere diversos benefícios a nós, como:

  • Limpeza de energia negativas do ambiente,
  • Ajuda a eliminar toxinas orgânicas,
  • Reduz os efeitos colaterais de agentes químicos presentes no organismo,
  • Associado à turmalina negra, acelera a recuperação de ossos e ainda previne a osteoporose em pessoas de mais idade,
  • Produz sensação de mais firmeza, quando a pessoa está atarefada,
  • Reduz o estresse,
  • Proporciona mais flexibilidade, comportamental e física,
  • Aumenta a sabedoria,
  • Fortalece o sistema imunológico,
  • Ajuda a romper com paradigmas ultrapassados,
  • Promove melhor adaptação a mudanças,
  • Ajuda a termos ideias mais claras, evitando situações de confusão mental e agitação emocional,
  • Estimula as funções cerebrais, melhorando as nossas capacidades em geral,
  • Ajuda no processo de meditação,
  • Contribui para termos intuições mais assertivas,
  • Ajuda a desenvolvermos a telepatia,
  • Amadurece e promove a evolução, etc.

Já no emprego da construção, a Gipsita é usada, em especial, no processo de formação do cimento e do gesso. Também é componente na fabricação de giz, vidros, ácidos, esmaltes, gesso e produção da cerveja.

O minério ainda é empregado como substância desidratante, para moldes de fundição, aglutinador e corretivo de solos, entre outras funções.

O minério também costuma ser empregado na fabricação do carbonato de sódio, que dá origem ao sulfato de sódio e ao carbonato de cálcio. Essas são substâncias com alta importância agrícola, melhorando a condição de solos deficientes.

A Gipsita ainda é utilizada como carga para papel e empregada na fabricação de produtos, como: pólvora, tintas, fósforo, discos, acabamento de tecidos de algodão, inseticidas, etc. Já, se adicionada à água, a Gipsita participa da fabricação da cerveja, além de aumentar a dureza para o polimento de chapas e materiais para asfaltar ruas.

Servindo também para a produção de moldes, peças, próteses ortopédicas e dentárias e outros. Como possui alta resistência ao calor e ao fogo, é ainda usada na fabricação de portas corta-fogo, na

mineração do carvão, para vedação de lâmpadas e de engrenagens, serve como isolante térmico para regiões onde existe perigo de explosões e na fabricação de tubulações e caldeiras.

A Gipsita ainda é usada para a produção de isolantes acústicos.

Apesar de ser empregada nos processos dos produtos citados, o seu uso enfrenta barreiras econômicas no país, devido ao seu custo elevado.

(Foto: Divulgação/Google/Imagens – Imagens livre de direitos autorais)

Qual a Origem da Gipsita?

 

Acredita-se que a utilização da Gipsita em sua forma bruta já era feita antes de 3 mil a. C., pelos povos antigos, como a civilização egípcia e a romana.

Também era utilizada nas lavouras e plantações de diversas regiões da Europa, durante o século XVII. A Gipsita era empregada na agricultura, sob forma moída, para melhorar as condições de solos muito alcalinos e pobres em enxofre. Tal procedimento aumenta os níveis de potássio e de nitrogênio no solo.

Com a evolução da indústria, porém, a gipsita ganhou outras formas de apresentação e é usada muito na indústria, como cimento e para gesso, principalmente. É um minério essencial, por exemplo, para fabricar o cimento do tipo Portland, que necessita da Gipsita para reduzir o tempo de seu poder aglutinador entre outros materiais.

Fabricação de Cimento com o uso da Gipsita

 

Como mencionado, uma das utilizações da Gipsita é na fabricação de cimento. O minério tem uma consistência levemente gordurosa, que permite a junção entre materiais variados.

A receita para se obter um bom cimento para obras diversas é a mistura de argila + calcário + clínquer + gipsita.

Onde Comprar Gipsita?

 

A Gipsita pode ser encontrada sob diversos tipos de apresentação, em geral, em lojas de materiais para a construção civil.

Produção e Reversas de Gipsita no Brasil

 

Cerca de 90% das reservas brasileiras do minério estão localizadas nas regiões Norte e Nordeste. Sendo que cerca 44% encontra-se na Bahia, cerca de 30% no Pará e cerca de 18% em Pernambuco.

O restante da produção e das reversas da Gipsita está distribuído nos estados do Amazonas, Ceará, Maranhão, Piauí e Tocantins. Já as reversas de Gipsita, que possuem as melhores condições para o aproveitamento econômico, se localizam na Bacia do Araripe – área que fica na fronteira dos estados do Ceará, do Piauí e de Pernambuco.

A localização mais exata está nas cidades de Trindade, Ipubi, Ouricuri e Araripina. Também em regiões exploradas nos municípios de Bodocó e Exu.

No entanto, em relação ao aproveitamento das reservas de Gipsita, o estado do Pará tem alguns fatores inconvenientes. Um deles é a grande distância entre as reservas dos centros consumidores e algumas deficiências na infraestrutura.

Classificações Gerais da Gipsita

 

Conheça, a seguir, as principais classificações atribuídas à Gipsita:

  • Cores: incolor, branco, amarelo, cinza, vermelho, castanho.
  • Aparência da coloração: translúcida.
  • Ocorrência: rara.
  • Fórmula química: Ca[SO4] ou 2H2O.
  • Grupo espacial: monoclínico-prismático 2/m.
  • Sistema cristalino: monoclínico.
  • Dureza: 1,5-3,0 (Mohs).
  • Densidade: 2,32 g/cm3.
  • Fratura: concoide (presença de curvas centradas).
  • Clivagem: perfeita.
  • Risca: branca.
  • Brilho: ceroso.
  • Fluorescência: não há.

Gipsita – Conclusão

 

Gostou de saber mais sobre a origem e as utilidades da Gipsita no Brasil e no mundo? Pois, então, a Gipsita, como vimos, se trata de um minério indispensável na fabricação de diversos produtos, em especial, do gesso, além da cerveja.

Além disso, descobrimos que, atualmente, muitas pessoas atribuem efeitos emocionais e energéticos ao minério – que também pode ser consumido, funcionando como fonte de cálcio para o organismo.

Porém, mesmo com as instruções, para consumir a Gipsita, recomendamos que um médico ou nutricionista seja consultado. Já que o uso da Gipsita como suplemento é algo ainda novo. Atenção com a sua saúde!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Fechar
error: Content is protected !!
Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios